cee-logo-faixa-920x90-alpha

Servidores do CEE/TO publicam artigo em Revista Científica de Qualis B2

Tamanho da fonte:

 joana-clebson-foto-artigo-cee

As discussões acerca da Educação Integral vem tomando o cenário das políticas públicas em todo o país. Sua ampliação e expansão está prevista no Plano Nacional de Educação, bem como nos planos Estaduais de Educação em todo o Brasil. A meta 05 do Plano Estadual de Educação do Tocantins - PEE/TO, prevê a oferta de Educação em Tempo Integral em, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) das escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, 25% (vinte e cinco por cento) dos(as) alunos(as) da Educação Básica. No entanto é preciso que se discuta com maiores elementos o projeto pedagógico, epistemológico e curricular da Escola de Tempo Integral, de modo que ele consiga implementar uma educação que, de fato, seja garantida em sua integralidade.

As discussões propostas neste artigo, visam contribuir com este debate, fortalecendo as políticas de Estado, pensadas para este fim, problematizando-as à luz de pensadores como Morin (2000, 2003); Libâneo (2012); Nicolescu (2000); Mészáros (2000), dentre outros, apresentando questões como: o que significa permanecer mais tempo no espaço curricular da escola? Qual o sentido da relação tempo/espaço/currículo para a promoção de uma educação integral? Por que, uma formação em regime integral exige maior tempo e maior espaço curricular? Questões estas que são imprescindíveis para se pensar as políticas de Educação em torno do projeto de educação integral.

O CEE/TO, permite espaço para estas discussões, e para as pesquisa em educação que visam contribuir para com o debate, em prol de uma educaçao cada vez mais exitosa em nosso Estado. É preciso que se discuta melhorias pra educação, sobretudo, apresentando novos elementos para repensá-la em sua integralidade. 

O artigo completo, pode ser acessado via o link: ARTIGO-ESCOLA-DE-TEMPO-INTEGRAL-ESCOLA-DO-ACOLHIMENTO-ESCOLA-DO-CONHECIMENTO

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or